sexta-feira, abril 06, 2012

Por Que Eu Gosto Tanto de Fotografar?

Muita gente me pergunta por que gosto tanto de fotografar, se também gosto de escrever?
Seria por que - como diz o velho ditado -, uma imagem pode substituir muitas palavras?
Dê uma olhada na foto acima, tirada em Chinatown, uma das partes mais degradadas de Nova Iorque.
Seriam apenas dois humildes vasos de plantas na sacada de um prédio deteriorado?
Para a maioria das pessoas, sim. Mas não para quem gosta de fotografia.
Em Chinatown, os prédios são muito antigos e a maioria está em péssimo estado de conservação.
Este aí, próximo a Manhattan Bridge, é um deles. Parece que o dinheiro acabou e eles não puderam terminar a pintura (rs).
Para muita gente, não é fácil viver em Nova Iorque. Os aluguéis são um dos mais caros do mundo. E a qualidade dos imóveis é, muitas vezes, abaixo do valor cobrado.
Chinatown fica na parte sudeste da Ilha de Manhattan, uma área onde a valorização que a cidade sofreu a partir dos anos 90 parece não ter chegado.
Esqueça o glamour que você vê na Nova Iorque dos filmes e seriados.
Nesta parte da cidade a degradação é muito grande.

Chinatown fica colada à Alphabet City, um sinistro bloco de prédios dos quais os turistas devem ficar longe, principalmente à noite, quando a prostituição e o tráfico de drogas se faz abertamente.
A maioria dos turistas chega a Chinatown na volta do Brooklyn, pela ponte...

...e são despejados nas ruas sempre cheias. Ruas feias, sujas e barulhentas, repletas de lojinhas de quinquilharias e comidinhas orientais de qualidade duvidosa.
Chinatown é loteada pela mafia chinesa e por gangues orientais, que cobram pedágio dos pequenos comerciantes. Muitos orientais são levados a Nova Iorque com promessas de uma vida de prosperidade, conforto e sucesso na América. Mas o que encontram é subempregos, regime quase que escravo, marginalidade, opressão e uma vida bem pior do que a que deixaram para trás. A maioria mora em apartamentos minúsculos e em estado deplorável. Vivem com medo da imigração e da máfia oriental que os ameaça denunciá-los ou coisa pior.
Mas a vida tem que continuar.
De alguma forma, a vida tem que continuar.
E a gente precisa seguir em frente...
...da melhor forma possível, utilizando os recursos que a gente tem.
Diante disso tudo que foi relatado, você ainda vê os humildes vasinhos apenas como eles são?
Pois eles representam a tentativa quase que desesperada de se conseguir alguma qualidade de vida, num ambiente hostil.
Os vasinhos estão gritando: NÃO TEMOS QUASE NADA, MAS AQUI AINDA HÁ ALGUMA DIGNIDADE!!!!!
E eu acho isso lindo!
E este é o motivo pelo qual gosto de fotografar: conseguir ver a beleza no feio, no hostil, no degradante, na decadência, no trágico.
É muito fácil ver o belo na beleza. E eu sou imensamente grato à fotografia por ter desenvolvido em mim esse olhar capaz de ver tanta beleza nesse mundo corrupto, egoísta, individualista, mesquinho e bruto que nos cerca.
Desculpem-me o ar meio auto-ajuda deste post. Talvez seja a época, sei lá!
E aproveito para desejar a todos uma Páscoa muito feliz! 

Marcadores:

domingo, janeiro 09, 2011

A Vida Como Ela Deve Ser

Viver não é fácil, não.

Você já deve ter aprendido isso.

Egoísmo, guerras, ijustiças, ódios, preconceitos.

Traições, violências, terrorismo, insensibilidade, misérias de todos os tipos.

Todos nós estamos sujeitos a tudo isso.

Uns mais; outros, menos.

Mas todos nós pagamos um preço por estarmos vivos.

E como acreditar que vale a pena pagar, mesmo quando o preço fica alto demais?

A fotografia me ensinou que um jeito é se encontrar beleza nas coisas que nos cercam.

Há sempre algo de belo bem próximo de nós.

É só ter um pouco de sensibilidade, paciência e tempo para descobrir.

Há uma árvore no Aterro do Flamengo, bem em frente ao Museu de Arte Moderna, que ficou totalmente desfolhada no inverno. Eu passei por ela várias vezes durante as minhas pedaladas, sem me dar conta da sua existência. Até que um dia...


Desculpe o post meio auto-ajuda. Mas não tive inspiração para nada melhor. Pelo menos, espero que tenham gostado da foto.

Marcadores:

domingo, agosto 29, 2010

Não foi por falta de aviso...


(Porto de Fernando de Noronha)
...eu bem que avisei a vocês que fotografia seria um assunto mais do que frequente por aqui.
Mas nem tudo está perdido. Comecei a expor fotos tiradas entre uma viagem e outra, no site português Olhares. E para lá irão os meus registros mais caprichados. Como essa aí deste pescador num mar de solidão, no litoral paraibano.

(Vendedor de pipas numa praia de João Pessoa)
Após comprar minha câmera DSLR, me senti mais a vontade para caprichar nas fotos.

(Árvore sinistra na Pista Cláudio Coutinho, Urca, Rio de Janeiro)
Não sei se tenho talento pra coisa, mas pelo menos me sinto honrado estar junto de tanta gente talentosa e me dedicando a uma arte que respeito a cada dia mais.
E como não respeitar uma arte que produz registros como este aí em cima, tirado do excelente New York Daily Photos, blog que não me canso de elogiar.
Fotografar, na minha humilde opinião, é celebrar a arte de estar vivo. E registrar o turbilão de coisas que rolam ao nosso redor. Com alguma técnica, muito estilo, toneladas de sensibilidade e com generosidade o bastante para repartir. Porque, segundo a lei  do retorno - a única lei 100% justa neste mundo -, é repartindo que mais sensibilidade nos chega para perceber as coisas lindas e interessantes a nossa volta. O que torna nossa vida infinitamente mais rica e feliz.

Marcadores:

sexta-feira, julho 09, 2010

Imagens e Pensamentos I - Pretinho básico


"Ok, men are like subway trains."
Foto tirada no final da madrugada de um sábado de maio, em uma estação do Lower East Side, NY.
Era aquela hora do dia em que as pessoas costumam ter pensamentos tolos. Acredito que a loura pensava nisso enquanto checava se ele havia ligado, enquanto tentava não se lamentar pelo fato de mais uma noite ter terminado sem conseguir alguém que o substitua e enquanto esperava o trem do metrô. Que, por vezes, demora, mas sempre aparece.

* De posse da minha primeira câmera DLSR, estou me sentindo um fotógrafo e agora vocês vão ter que me aturar.

Marcadores:

terça-feira, junho 29, 2010

Esses fotógrafos maravilhosos e seus clicks fantásticos

Nunca escondi o quanto gosto de fotografia. Muita gente gosta, mas não tem noção do poder de uma foto.
Talvez esses trabalhos aí em baixo, todos tirados  daqui, dão uma idéia
O diretor Francis Ford Coppola no final dos anos 70, época do fracasso de crítica e financeiro de Apocalipse Now. A foto diz tudo.

Yoko, Wharol e Lennon levando às últimas consequências a Revolução Sexual, na Nova Iorque dos anos 70, época em que a cidade era proibida para menores, antes de se transformar na Disneylândia da classe média consumista que é hoje.
Fotografias podem mostrar o lado ainda mais excêntricos de personalidades já excêntricas, como esta foto do saudoso Hitchcock curtindo a neve com os filhos.
Podem também revelar o lado B de uma pessoa. Marlon Brando sempre foi mostrado como durão e insensível em clássicos como Sindicato de Ladrões, Apocalipse Now, O Poderoso Chefão ou Um Bonde Chamado Desejo. Mas essa foto mostra que o homem ainda tinha salvação.

Fotografias também podem ser perigosas. Elas podem revelar o que não se quer que seja revelado. Como o momento de intimidade entre Marilyn Monroe e o presidente John Kennedy aí em cima...
...ou cenas constrangedoras como a mesma Monroe fazendo a linha largadona - mas sem perder a pose -, talvez já na sua fase bebum.
Fotografias também podem mostrar cenas interessantes, como um Travolta ensaiando para fazer bonito em Os Embalos de Sábado À Noite, em 1977.
Fotografias podem revelar o futuro de uma pessoa. Como essa Madonna, ainda ninfeta, já anunciando o que estava por vir...

...ou o futuro brilhante deste Jimmy Page, nos anos 50, que parece anúnciar o que seria como guitarrista do Led Zeppelin.

Fotografias também podem revelar o futuro sombrio de alguma pessoa. Como essa mostrando um depremido Court Cobain, no início dos anos 90.

Ou esse bizarro Michael Jackson, ainda nos tempos dos Jacksons Five.
Por tudo isso, sempre que você for clicar com sua câmera, seu celular ou seu ipod, lembre-se que você não estará apenas registrando uma cena bonitinha ou alegre. Naquele punhado de pixels estará registrado um momento que durará toda uma eternidade.

Marcadores:

terça-feira, julho 21, 2009

Em Flagrante

Não, essa senhora acima não praticou nenhum crime. Ela só está reclamando desses músicos de rua que todos os dias tocam em frente a sua casa, em uma rua do Brooklyn.
Momento saia justa que nunca se tornaria notícia na mídia e que só mereceria destaque mesmo em um blog. Pois o New York Daily Photo, como o nome mesmo diz, é um diário do cotidiano da Big Aple, em fotos, clicadas pelo excelente Brian Dubé. Nova Iorque costuma ser muito glamurizada pela mídia, mas é uma metrópole cheia de problemas. Os gritos dessa senhora, reivindicando um pouco de paz, são um exemplo disso.
New York Daily Photo é um blog com B maiúsculo porque tem a maior virtude de um bom site pessoal: mostrar ou contar aquilo que a mídia não mostra, finge que não vê, não quer ver ou ignora.
Sejam fotos documentais de eventos marcantes, como fãs prestando sua homenagem a Michael Jackson,... ... ou do desfile do Dia do Orgulho Gay, em junho último; ou fotos de lugares que nenhum guia turístico irá mostrará a você, em Nova Iorque,...

...seja na inimaginável tranquilidade de uma rua no subúrbio da metrópole mais agitada do mundo ou na incrível beleza de uma praia nos arredores,...
...seja na alegria de ver músicos tocando para pessoas dançarem em plena rua, numa tarde de verão, em uma cidade descrita pela mídia como desumana,...
...ou a maravilhosa banalidade de um esquilo comendo batata frita, em um parque.
E mais: como Brian é um local e circula muito por lá, ele ainda dá excelentes dicas de bares, restaurantes, points, lojas, galerias de arte, etc, muito antes de qualquer profissional de mídia moderninho ou guia descobrir.
É um blog essencial não só para quem gosta de fotografia ou quem gosta de Nova Iorque, mas para quem aprecia a arte de captar a beleza do cotidiano, do banal, do rotineiro.
Na verdade, esse blog é uma prova de amor de um homem pela sua cidade, mostrando muito mais do que fotos turísticas, e, sim, suas belezas e mazelas, como que a pegá-la em flagrante.
Gostaria que alguém fizesse o mesmo por alguma grande cidade brasileira.

Marcadores:

terça-feira, junho 23, 2009

Ô Coisinha tão bonitinha do pai

Antes de você continuar a ler este post, é recomendável que você clique na foto abaixo para ampliá-la. Examine os detalhes e volte.
É que tenho recebido elogios pelas fotos que tirei na última viagem aos EUA. E um leitor, o Ângelo, me mandou um email, perguntando o tipo de máquina que eu uso.
Pois bem, Ângelo, não sou profissional, sou o que eles chamam de entusiasta ou um fotógrafo metido a besta. Não tenho SLR. No máximo, uso uma Canon SX10 IS, que tem recursos um pouco mais sofisticados do que uma point & shoot comum e lentes 20x de wide angle, para as ocasiões que requerem um zoom mais poderoso. Porém, por ser mais poderosa, pesa mais e ocupa mais espaço.
Mas, 80% das fotos foram feitas por essa maravilha aqui embaixo...
...uma Canon Powershot SD 780 IS.
Lançada no final de fevereiro deste ano, tornou-se uma febre nos EUA, pela qualidade de suas fotos (se você fez o que recomendei, pôde verificar) e pela praticidade do seu tamanho/peso.

Não se iludam com o seu tamanho. Há muito o tamanho deixou de ser documento no mundo da fotografia. Vocês não tem noção do que essa belezinha pode fazer. Tá certo que a imagem não é aquela perfeitção de uma SLR. Mas são muito boas. Além de ser bonitinha (também vem nas cores preta, prateada e vermelha), uma chuchuca, cabe em qualquer bolso, bolsa, mochila, etc. Ótimo para tirar fotos rápidas durante as viagens. Mas não só isso. Vale para qualquer situação que não requeira recursos mirabolantes.
Seu único ponto negativo seja o flash, que ainda é fraco. Mas foi um tremendo golaço da Canon.
Foi lançada em fevereiro por US$ 279. Mas logo começou a cair de preço e comprei uma em maio, por US$ 229. E vai continuar caindo, a medida que deixe de ser uma novidade. Acredito que assim que o verão norte-americano passar, não será difícil encontrá-la por uns duzentos dolareszinhos.
Se você gosta de fotografias em viagens ou está precisando comprar uma máquina nova, peça a alguém que esteja indo pros States para trazer ou espere sair por aqui, o que não deve demorar.
Altamente recomendável. Vai por mim.
Ângelo, espero ter matado sua curiosidade. Mais informações? Mergulhe aqui .
Na verdade, essa SD 780 foi um upgrade para essa SD 500, falecida no último verão, durante um mergulho na Ilha Grande. A bolsa protetora estourou, entrou água e a coitadinha morreu afogada. Foi minha companheira de viagens por quase quatro anos e me proporcionou fotos excelentes. Quem me acompanha por mais tempo, principalmente a ida à Europa, em setembro, pode confirmar.

Gostava tanto dessa máquina, mas tanto, tanto, que até hoje não consegui me desfazer do seu cadáver.
Vai na paz! O consolo é saber que ela foi muito bem substituída.
E aguardem porque vem mais fotos por aí.

Marcadores:

domingo, junho 29, 2008

Derrota

Todos nós temos nossos momentos de queda na vida. Quando as derrotas são dos outros, a gente acha engraçado. E se por acaso as fotos forem boas, viram arte no Failblog, de onde foi tirada a foto acima.

Marcadores:

sábado, maio 31, 2008

Inveja!!!!!

Lixo



Mendincância e sem-tetos



Sujeira




Pixações







Drogas




Meninos de rua nos sinais

A população entricheirada em suas casas, com medo





Eu poderia estar falando de alguma metrópole brasileira, mas estas fotos são da maior de todas as metrópoles. O site Skyscrapercity expõe imagens da Big Apple, entre 1965 e 1995, período que engloba os anos mais duros vividos por Nova Iorque, quando falência econômica, violência, drogas e politicagem, quase levaram a cidade à lona.



Quem tem ido a Nova Iorque nos últimos tempos, sabe da espetacular volta-por-cima que a cidade deu.



Vale a pena dar uma olhada, nem que seja para sentir uma inveja horrorosa ou manter viva a esperança de que daqui a alguns anos possamos ver fotos do Rio e São Paulo, principalmente, e possamos rir de tudo isso por que estamos passando.

Marcadores: