domingo, agosto 06, 2006

Eu Quero A Minha MTV

Por volta do meio dia de 1 de agosto de 1981, os americanos que sintonizavam uma faixa de tv a cabo, levaram um susto ao ver as imagens de um foguete sendo lançado e a voz cavernosa de John Lack anunciando: "Ladies and Gentlesmen, rock and roll". Na verdade, estava entrando no ar muito mais do que isso. Era o início de um dos maiores fenômenos ocorridos na tv mundial.
Para explicar esta história precisamos voltar um pouco no tempo, mais precisamente para os meados dos loucos anos 60. Naquela época, gente como o recém-falecido Syd Barret, já como líder do Pink Floyd, tinha a idéia de colocar em seus shows, pequenas telas, onde eram exibidos espécies de vídeos, cuja a trilha sonora era a música que a banda estava tocando no palco. Era algo bem rústico, sem roteiro e nem cuidados especiais. No outro lado do mundo, em São Francisco, Jerry Garcia, do psicodélico Grateful Dead, também passava a exibir imagens em telas para embalarem seus concertos muito loucos que, às vezes, chegavam a durar mais de dez horas (quase uma prévia das raves dos anos 90). O próprio Pink Floyd chegou a fazer filmes sobre suas canções. Arnold Lane e See Emily Play, ambas no início de 1967, ganharam pequenos filmes que as utilizavam como trilha sonora. Os próprios Beatles fizeram, na mesma época, filmes com as suas Penny Lane e Strawberry Fields Forever. Eram os primórdios do vídeo-clipe.
É claro que vídeos feitos para promover músicas já haviam sido feitos. Mas o som estava sempre em primeiro plano e a imagem era a coadjuvante. Agora som e imagem recebiam o mesmo tratamento, pois tinham a mesma importância. Um casamento perfeito!
O som psicodélico havia surgido para se exercitar a mente. Era como se fosse a trilha sonora para longas viagens de LSD. E esta onda psicodélica originou o rock progressivo, que igualmente massageava a mente, embora de uma forma menos experimental. Nos anos 70 fui a algumas festinhas, onde entre um tapa e outro, deitava-se (da mesma forma que a garotada se esparrama em lounges nos dias atuais) em enormes e coloridos almofadões indianos, espalhados pelo chão, para curtir longas viagens ao som de Yes, Pink Floyd, Jethro Tull, King Crimson, Gênesis, etc.
Nessa época a indústria do vídeo-clipe ainda não havia prosperado, devido ao alto custo de se produzi-los e também pela falta de locais onde pudessem ser exibidos. Para tentar resolver o problema, surgiu na tv americana, um programa chamado PopClips, no qual vídeos de sucessos da época eram mostrados e votados pelo público.
Em 1977, a Warner-Amex Cable se juntaria a American Express para criar um sistema interativo de tv a cabo voltado para o entretenimento, chamado Qube, que na verdade era um pool de pequenos canais especializados para determinados públicos. Um deles era o Sight On Sound, que mostrava shows e programas musicais, nos quais o público também podia votar em seus artistas.
Esta foi a idéia que gerou a Music Television, que iria ao ar oficialmente naquele verão de 1981.
E a indústria do entretenimento nunca mais foi a mesma.
Um canal de tv especializado em vídeo-clipes logo chamou a atenção e foi inicialmente visto apenas como uma curiosidade. Naquela época os vídeos eram de uma pobreza de dar dó. Mesmo assim em dois anos, a jovem MTV já disputava audiência com até mesmo a veterana CBS. Por trás disso tudo estava o talento do visionário produtor Bob Pittman, um veterano dos anos 60 e que devia ter se deitado em muito almofadão indiano, para sonhar com um canal de tv onde som e imagem pudessem ter uma relação equilibrada.
Como sempre, nem tudo foram flores. O primeiro problema foi a acusação, por parte dos artistas negros, de que o novo canal era racista. Realmente não se via irmãozinhos de cor ali, embora o rap e o hip hop estivesse em ascensão. Mas quando Michael Jackson chegou no topo da Billboard e por lá ficou durante quase um ano com Thriller, não deu outra. Um negro finalmente estreava na tv musical mais bem sucedida do planeta.
Depois vieram as críticas dos mais exigentes, que acusavam Pittman de ter traído a geração-almofadão-indiano, ao criar um canal que funcionava como um delivery de fantasias, dando aos espectadores viagens mentais já prontas, impedindo-os de criar as sua próprias em cima das músicas.
Por outro lado, houve quem acusasse o canal de assassinar a fantasia que se criava também a respeito dos ídolos. Ou seja, se por um lado, o jovem podia ficar meses ou anos criando expectativas em torno da experiência de assistir a um David Bowie cantar, agora, era só ligar a tv e Bowie surgia na tela várias vezes ao dia.
Mas enquanto os cães ladravam a MTV crescia e no final dos 80 já estava tão presente no dia-a-dia do jovem americano, que passou a influenciar também a forma de se fazer tv e até o cinema. Nascia a chamada “linguagem MTV”, rápida, informativa e fragmentada, que fez muito diretor hollywoodiano arrancar os cabelos para adaptar os seus roteiros.
Na música, o surgimento da Music Television foi devastador. De repente, o apelo visual passou a ser mais importante. Não era por acaso o festival de roupas sensuais, cabeleiras coloridas e horríveis topetes que surgiam na década de 80. Parece que aparecer na MTV era obrigatório. Isso fez com que muitos artistas passassem a compor já em função do vídeo-clipe. Bandas como Duran Duran, The Police, A-ha, New Order e artistas como Prince, Cindy Lauper e George Michael são alguns dos muitos que têm a agradecer ao canal. Em 1985, os ingleses do Dire Straits cantavam na faixa da sua música Money For Nothing, o slogan do canal: I Want My MTV, como numa espécie de bajulação. Quem mais tirou vantagem disso tudo foi a espertíssima Madonna. Quem não se lembra da loura, vestida de noiva, rolando no chão, enquanto cantava Like a Virgn, na entrega do I MTV Awards? A própria Madonna seria protagonista de outros dois escandalosos vídeos. Primeiro, o de Like a Prayer, do cd I´m Breathless, em março de 1989, quando contracenava com um Jesus Cristo Negro. Depois, no vídeo de Justify My Love, com cenas de troca de carícias entre travestis, lesbianismos, sadomasoquismo e sexo tórrido. O vídeo foi lançado no dia 20 de outubro de 1990. No dia seguinte, o jornal New York Post, colocava na capa a foto de uma das cenas do clipe e, em letras garrafais: VAGABUNDA!!! Era mais um gol de placa de Madonna.
Nessa época, surgia a MTV brasileira – a européia e a latina já existiam. E hoje já são 30. O impacto da sua entrada no país foi mais lento, mas forte. Até a poderosa Globo teve que fazer algumas adaptações para competir com a suposta ameaça que chegara. Quando a MTV anunciou que iria lançar o vídeo de Justify My Love, por exemplo, a Globo correu e lançou toda aquela putaria na hora do jantar, no Fantástico, um dia antes.
Com o passar do tempo o canal passou a se dedicar a programas diversos, de talk-shows a desenhos animados. A audiência caiu nos EUA e eles criaram outros canais de músicas com a marca MTV. Em janeiro deste ano, o canal entrou na era da alta definição, transmitindo de um único estúdio, todos os canais da, agora, rede MTV. São eles: MTV, com a programação tradicional; o VH1, com programas diversos, como reality shows, por exemplo; e o CMT, voltado para o público de country music. Há ainda o MTV2, 24 horas de vídeo-clipes e programas sobre música.
Mas apesar de todas as críticas, sempre amei o canal 25 da NET. Tenho fitas e mais fitas dos anos 90, testemunhando o nascimento, apogeu e morte do movimento grunge e o sucesso de bandas como Alice ´n Chains, Black Clowes, Pearl Jam, Massive Atack e artistas como Bjork, Tori Amos, P.J. Harvey e Nick Cave. Lembro-me de programas espertos como X-po sobre música eletrônica e o Yo! MTV, sobre som negro; drops de reportagens sobre o festival Loolapalloza; o Lado B, com o Flavio Massari, sobre músicas alternativas de bandas que logo chegariam ao estrelato, como Nine Inch Nails e Smashing Pumpkins; um outro chamado Clássicos MTV, mostrando bandas dos 60 e 70; e os famosos Rock History, mostrando a carreira de determinado grupo ou artista. Um deles foi sobre o Floyd. E ao ver Syd Barret cantar na tela, juro que percebi um sorriso zombeteiro, como se dissesse: “Eu sabia que iria acabar nisso.”
Feliz aniversário MTV!

8 Comments:

Anonymous DO said...

Confesso que já gostei mais da MTV,JULIO.
Hj a programação está recheada de programas meio que alternativos e mais blablablá que musica.
Mas,enfim,se tem audiencia...
Abraços!

domingo, agosto 06, 2006 9:23:00 AM  
Blogger milton toshiba said...

Que pena o fim de Sid...ainda hj Jon Anderson tem o maoir play list do meu ipod.
Com o Jacque em casa a Vera não desliga da net, hehe
abçs

domingo, agosto 06, 2006 12:50:00 PM  
Blogger Alba Regina said...

nooosa jc! me lembro de quando eu enchia o saco de uns amigos q moravam nos states pra me mandarem fitas...e mandavam!!! pena q não fui cuidadosa o suficiente e acabei perdendo...às vezes ainda assisto-ouço...tipo rádio com imagem... beijo.

domingo, agosto 06, 2006 5:23:00 PM  
Blogger Vera Fróes said...

Júlio, ainda não deu tempo de ir ao Orkut agradecer a todos que passaram por lá, te agradeço aqui pelo carinho. Como é bom ter amigos virtuais!
Já gostei muito da MTV, hoje vejo um programa ou outro e só.

Bjos.

domingo, agosto 06, 2006 5:42:00 PM  
Blogger José Alberto Mostardinha said...

Viva Júlio:

É isso, foi o acompanhar de uma autêntica revolução na música, com sucessos que ainda ninguém sequer se aproximou perto, e na TV com a MTV como exemplo maior.

Um abraço,


Novo artigo no EG á espera do teu prezado comentário.

domingo, agosto 06, 2006 11:15:00 PM  
Blogger Kafé Roceiro said...

MTV já me atraiu mais que hoje.

segunda-feira, agosto 07, 2006 12:50:00 AM  
Anonymous Magiagifs said...

Oieeeeee...tudo bem com vc?...seu blog é destaque essa semana no magia,pela beleza e pelo carinho com q é cuidado...parabéns!Tem um selinho e meu award pra vc,tá?
Uma ótima semana!
*"O sorriso é uma luz na janela da alma
que mostra que o coração
está em casa."*
Beijinhus
Magiagifs(Li)

segunda-feira, agosto 07, 2006 1:58:00 AM  
Anonymous Anônimo said...

This is very interesting site...
»

sexta-feira, dezembro 01, 2006 2:13:00 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home